Rio, SP e MS fazem carnaval e passeatas contra Belo Monte e o Código Florestal

Publicado em 16 de junho de 2011

Blocos e bandas carnavalescas do Rio de Janeiro e um grupo de pessoas de São Paulo sem vínculos com partidos ou organizações vão promover neste domingo protestos contra as mudanças no Código Florestal e contra a licença para a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte. Com o mesmo objetivo, o Fórum de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Mato Grosso do Sul (FORMADS-MS) promoverá a Marcha da Liberdade, neste sábado, em Campo Grande.

Rio
No Rio, os manifestantes programaram um desfile-manifesto na praia de Copacabana, com concentração no Posto Seis, a partir das 10 horas. Já está confirmada a participação dos blocos e bandas Simpatia é Quase Amor, Barbas, Imprensa Que Eu Gamo, Banda de Ipanema, Bloco de Segunda, Bafafá, Empolga às 9, Carmelitas, Volta Alice, Banda da Rua do Mercado, Voltar Pra Quê? e Monobloco.

Durante o evento, a população poderá assinar um manifesto que será entregue à presidente Dilma Rousseff e aos presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, José Sarney e Marco Maia. Os organizadores sugerem que todos estejam fantasiados ou vestidos de camisas verdes ou com as camisetas de seus blocos e que levem faixas ou cartazes com mensagens em defesa do meio ambiente. O cartunista Ziraldo criou, especialmente para o evento, a imagem do 11º Mandamento: “Não desmatarás”.

Mobilização em São Paulo
Em São Paulo, a concentração será no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP) na avenida Paulista, a partir das 14h30 do domingo. Além do repúdio ao novo texto do Código Florestal aprovado pelos deputados no dia 24 de maio, o evento vai protestar contra a licença dada pelo Ibama para o início das obras da hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, sem que o consórcio de construtores tenha cumprido as condicionantes prévias de mitigação de danos.

Na passeata será distribuído o manifesto “Brasil pelas Florestas”. O protesto teve origem em um evento promovido no Facebook, criado por pessoas sem vínculos com qualquer tipo de entidade. No dia 5 de junho foi realizado o primeiro manifesto, contando com a presença de cerca de 1.500 participantes.

A passeata tem como objetivo defender a conservação do pouco que resta de florestas nativas no Brasil, e consequentemente a vida que depende dela, incluindo seus habitantes. Trata-se de uma manifestação sem vínculos com partidos, instituições ou empresas. Sua organização é aberta a todos, de maneira voluntária.

Programação do manifesto: Concentração às 14h30 no MASP. Saída às 16h30, pela Avenida Paulista em direção à Avenida da Consolação. Na Consolação, a marcha seguirá rumo aos Jardins até a Alameda Itu. Dali, entrará na Alameda Casa Branca e retornará ao vão livre do MASP às 18h30.

Marcha da Liberdade no MS
Também em defesa de uma legislação que defenda o meio ambiente e contra o Código Florestal aprovado pela Câmara dos Deputados, entidades que compõem o Fórum de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Mato Grosso do Sul (FORMADS-MS) promoverão a Marcha da Liberdade, neste sábado, em Campo Grande. O ato está programado para as 9 horas, na Praça Ary Coelho.

Segundo Eduardo Romero, da coordenação do Fórum, as entidades ambientalistas desencadearam em todo país uma mobilização para explicar para a sociedade as conseqüências do novo Código, que prevê entre outras coisas, a diminuição das áreas de reserva legal, de mata ciliar e abriga um dispositivo que anistia os infratores do pagamento das multas. De acordo com o Fórum, no MS, os produtores rurais infratores da lei devem cerca de R$ 192 milhões aos cofres públicos.

Em entrevista à organização da Marcha, Haroldo Borralho, do Cedampo, disse que a mobilização deste sábado é apenas o início. “Não podemos deixar essa irresponsabilidade ambiental prosperar. Acreditamos que o Senado terá mais bom senso e não aprovará os absurdos da Câmara. E se aprovar cremos no poder de veto da presidente Dilma. Acho que nem será preciso chegar nesse ponto. A reação da sociedade pode impor um recuo ainda no Senado. Mas, para isso, precisamos ir para as ruas, mostrar a indignação da sociedade.”

As informações são do Instituto Socioambiental (ISA)

Comentários (1)

  • eloisa |

    17/06/2011

    Sou a primeira a comentar. Estou, por iniciativa própria e gtratuita, na rede fazendo mobilização nos diversos fóruns.

    Não podemos fazer passeatas para preservar o pouco do que resta, Esse pouco jé é pouco. Este pouco é insuficiente. Não vamos nos contentar com isso. Com sobras. Vamos lutar para restabelecer sustentabilidade mínima para a vida.

    Responder

Faça seu comentário

Nome
*obrigatório
E-mail
*obrigatório
Website

Divulgue!