Marcha de 700 com morte simbólica protesta em São Paulo contra Belo Monte

Em mais um dia de protestos autogestionados contra a hidrelétrica de Belo Monte, várias cidades foram às ruas neste sábado, 17. Em São Paulo, a ato reuniu cerca de 700 pessoas em mais de cinco horas de manifestação
Publicado em 18 de dezembro de 2011

Em mais um dia de protestos autogestionados contra a hidrelétrica de Belo Monte, várias cidades foram às ruas neste sábado, 17. Em São Paulo, onde o ato reuniu cerca de 700 pessoas, a manifestação durou mais de cinco horas e, a partir da concentração no vão livre do Museu de Artes de São Paulo (MASP), percorreu a natalina avenida Paulista e a rua Augusta, desembocando na Praça da República, no centro da cidade.

Liderada por grupos indígenas kalapalo e guarani, a marcha paulistana teve alguns pontos altos. No cruzamento entre a Paulista e a Augusta, os manifestantes interromperam o transito com uma enorme faixa confeccionada pelo grafiteiro Mundano, e um grande plástico azul, pintado com peixes prateados, foi estendido na rua para simbolizar o rio Xingu. Por dez minutos mágicos, guerreiros kalapalo deixaram de lado a guerra e crianças guarani esqueceram a timidez, para simplesmente brincar.

A brincadeira acabou abruptamente quando os megafones da manifestação começaram a soar suas sirenes. Em 20 segundos, a rua se cobriu de corpos caídos, e várias figuras vestidas de morte desenhavam seus contornos no asfalto; porque a alegria não resiste onde a mão do Estado faz valer brutalidades.

Retomando seu curso, a marcha seguiu cantando Augusta abaixo. Em frente a agencias bancárias, o coro protestou contra o financiamento da usina, tema da campanha “Belo Monte: com meu dinheiro não!”. Dos ônibus e das janelas, paulistanos com outras agendas para o sábado de sol acenavam apoios. Um ciclista que passeava resolveu aderir, e um sargento da polícia deixou de lado a sisudez de quem deve manter a ordem e puxou conversa sobre máquinas fotográficas, sua recente viagem ao México e futuros planos de visitar a Guatemala.

Uma nova parada interrompeu a passeata em frente à sede paulista do PC do B, na Rego Freitas. As vaias contra o deputado comunista Aldo Rebelo, autor do novo Código Florestal, que vinham soando durante toda a marcha, viraram batucada organizada.

Por fim, com o sol já baixo, a manifestação tomou a praça da República com um último toré indígena, a leitura de um documento político e a convocação para uma série de atividades para os primeiros meses de 2012. Cada um a seu jeito, la mesmo manifestantes começaram a se preparar para as próximas lutas.

No Pará
Em Belém, a manifestação  contra Belo Monte ocorreu pela manhã, percorrendo as ruas do centro da cidade até a Praça do Relógio no Ver-o-Peso, onde um ato político-cultural finalizou as atividades.

Segundo os organizadores, além do foco na construção da usina, a manifestação também protestou contra o novo Código Florestal, os bancos que poderão financiar as obras, a decisão do Juiz Carlos Eduardo Castro Martins de revogar, nesta sexta-feira (16), a liminar que ele mesmo havia concedido e que determinava a paralisação das obras da hidrelétrica no rio Xingu, a perda do mandato da senadora Marinor Brito, uma das principais oposicionistas à Belo Monte, com a decisão do STF de empossar o candidato ficha-suja Jader Barbalho, e as ameaças contra o jornalista Ruy Sposati, do Movimento Xingu Vivo para Sempre em Altamira, por parte de agentes ligados ao Consórcio Construtor Belo Monte.

Já em Altamira, cerca de 50 pessoas fizeram uma manifestação com panfletagem na Feira do Mercado, com foco na campanha “Belo Monte: com meu dinheiro não!”.

Em outros estados, também ocorreram manifestações nas cidades de Curitiba, Rio de Janeiro e Campinas (Veja fotos).

Álbuns de fotos:

São Paulo https://picasaweb.google.com/105115680627916588347/ProtestoSP17122011

Belém http://www.facebook.com/media/set/?set=a.241426292594197.57880.100001804843542&type=1

Rio http://www.facebook.com/media/set/?set=a.2069093146888.78641.1831630461&type=3

Campinas http://www.facebook.com/media/set/?set=a.339820159365439.96696.100000123743846&type=1

Curitiba http://www.facebook.com/media/set/?set=a.2314629790307.2107826.1386306694&type=3

 

Comentários (7)

  • Felipe Camargo |

    18/12/2011

    Um monte de desocupados, que acreditam que energia elétrica surge por milagre. Certamente, saíram da manifestação e foram para casa ligar a TV, o ar-condicionado e o chuveiro elétrico. Deveriam se informar e aprender que a energia proveniente das hidrelétricas é a mais limpa, mais parada e menos agressiva ao meio ambiente. Criticar a construção de Belo Monte é fácil. Difícil é viver na escuridão!

    Responder
    • Marília Paiva |

      21/12/2011

      "Serenidade, para dar à racionalidade económica do tardocapitalismo uma resposta que só pode ser de uma outra ordem e de uma outra dimensão. Essa ordem tem de ser poética e antiprogressista. Tem de recuperar formas de pensamento pré-imperiais, em que o objectivo não seja o crescimento mas a sustentação, em que toda a publicidade seja considerada enganosa, em que o crescimento das empresas seja limitado e os políticos tenham de estudar filosofia antes e não depois de disputarem as eleições. (…) Uma ordem em que o maior crime seja a destruição da natureza e a interdição de matar ou de manter em cativeiro se aplique aos seres humanos e aos outros animais."
      (Luís Januário , quem escreveu isso, é médico e português ) http://www.ionline.pt/opiniao/cabana-thoreau

      Só lembrando , Felipe Camargo , que a discussão é mais complexa do que acender/apagar a luz e o difícil mesmo é viver na escuridão do conformismo …
      http://www.controversia.com.br/index.php?act=text

      Responder
    • mpaiva |

      24/12/2011

      "Serenidade, para dar à racionalidade económica do tardocapitalismo uma resposta que só pode ser de uma outra ordem e de uma outra dimensão. Essa ordem tem de ser poética e antiprogressista. Tem de recuperar formas de pensamento pré-imperiais, em que o objectivo não seja o crescimento mas a sustentação, em que toda a publicidade seja considerada enganosa, em que o crescimento das empresas seja limitado e os políticos tenham de estudar filosofia antes e não depois de disputarem as eleições.(…) Uma ordem em que o maior crime seja a destruição da natureza e a interdição de matar ou de manter em cativeiro se aplique aos seres humanos e aos outros animais." http://www.ionline.pt/opiniao/cabana-thoreau

      Felipe , o texto acima é de um português e não fala sobre Belo Monte mas serve p/ lembrar que a questão é mais complexa do que acender/apagar a luz … Belo Monte se insere na escolha de um modelo de desenvolvimento que , além de ambientalmente mais agressivo, é também mais concentrador de renda e socialmente mais violento.
      Difícil é viver na escuridão do conformismo , sem discutir o que é "progresso" …
      http://www.advivo.com.br/video/hidroelectricas-enhttp://www.revistaglobalbrasil.com.br/?p=658

      Abraço.

      Responder
    • HUGO |

      04/01/2012

      UM IGNORANTE MAL INFORMADO!
      NAO EXISTE OUTRAS FONTES DE ENERGIA???

      Responder
  • Priarte |

    22/12/2011

    Caro Felipe Camargo, existem várias formas de energia, até com bagaço de cana se faz, mas Belo Monte é uma farsa, procure se informar, esta muito alienado a respeito de fonte energética. É crime violar os direitos humanos, acima de tudo estamos tratando de pessoas que vãos ser retiradas de seu ambiente natural e serem condenados a violência das cidades. E outra do jeito que você fala parece que Belo Monte será a unica fonte energética brasileira, vai estudar um pouco ou melhor fique na escuridão para você refletir um pouco sobre direitos humanos e preservação da natureza.

    Responder
  • Felipe Selles |

    27/12/2011

    Algumas fotos que tirei: https://picasaweb.google.com/11498418678511846439

    Responder
  • Marcelo Leitner |

    11/06/2013

    A sexta foto é fora de série. Parabéns a quem fotografou aquele momento.

    Responder

Faça seu comentário

Nome
*obrigatório
E-mail
*obrigatório
Website

Divulgue!