Deputado é impedido pela polícia de conversar com indígenas; imprensa é barrada; militares ‘negociam’ em nome do governo

Publicado em 05 de maio de 2013
O deputado Padre Ton (PT-RO) foi impedido por policiais da Força Nacional de Segurança de entrar no canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Belo Monte, no Pará. O sítio está ocupado desde quinta-feira, 2, por indígenas que reivindicam a realização da consulta prévia e a suspensão da construção de hidrelétricas nos rios Xingu, Tapajós e Teles Pires.Dois fotógrafos e duas equipes de televisão também foram novamente impedidos de entrar no local. Um dos jornalistas foi ameaçado de prisão por policiais, caso entrasse no canteiro. Um grupo de apoiadores do município de Altamira que levava frutas para os indígenas não foi liberado para entregar as doações aos manifestantes.

Policiais teriam dado a informação falsa ao deputado de que os indígenas recusaram a visita do parlamentar. Mais tarde, o coordenador de movimentos do campo e território da Secretaria Geral da Presidência, Nilton Tubino, teria ligado ao deputado Padre Ton e o orientado a não ir ao canteiro. Dentro do canteiro, policiais disseram aos indígenas que Padre Ton não entraria para encontrá-los.Em nome do governo federal, a Força Nacional apresentou aos indígenas uma última “proposta” de negociação: os indígenas deverão apresentar uma lista de reivindicações, que será assinada por eles e pelo governo, que se comprometerá a cumpri-la sob a condição de que, depois de assinado o acordo, os indígenas deixassem o canteiro.

“O governo já disse pra vocês que não vem aqui”, disse um policial da Força Nacional aos indígenas. “É mais fácil acontecer um despejo do que vocês conseguirem a pauta de vocês. Então é bom aceitarem essa última proposta”. Os indígenas não aceitaram.

As informações são do CIMI

Comentários (4)

  • Joao Area Batista |

    06/05/2013

    O que podemos fazer para conter essa loucura?????????

    Responder
  • Igor |

    06/05/2013

    Excelente!

    Responder
  • IREMAR |

    07/05/2013

    A CRIMINALIZAÇÃO DO MOVIMENTO SOCIAL E SUAS REPRESENTAÇÕES PODERÁ MANCHAR MAIS UMA VEZ A FOTO DO GOVERNO BRASILEIRO…AVIZINHA-SE MAIS UM CRIME…TODO MUNDO ESTÁ VENDO…

    Responder
  • Iara da Fonseca V. |

    09/05/2013

    Se podemos ter energia muito mais limpa, que não ocasione danos como esta construção,porque os poderosos em suas casas ,mansões,em Brasília e em grandes cidades ,que não conhecem a realidade ,o cotidiano dos povos indígenas e dos ribeirinhos,tomam decisões dessa obra ? Povos que estão no imaginário dos brancos,como Exóticos! Tidos como carentes do chamado desenvolvimento moderno que vivemos! E vivemos sim em meio ao Caós ! Quem Lucra com isso? Em meio as obras, existem sempre o Superfaturamento, a ganância mascaradas em Benefício para o País, não desnudam a destruição , as consequências negativas de impactos irreversíveis para essas populações e Florestas! Queremos vida, o tempo , ao compasso da Natureza, os povos que sempre conviveram em meio dela de maneira simples,tirando seu sustento,seu alimento e o seu abrigo!

    Responder

Faça seu comentário

Nome
*obrigatório
E-mail
*obrigatório
Website

Divulgue!