Ministro Gilberto Carvalho se recusa a receber indígenas; na Funai, grupo avalia postura do governo em assembleia

Publicado em 10 de junho de 2013

Os 145 indígenas dos rios Xingu, Tapajós e Teles Pires, no Pará, estão reunidos em assembleia na sede da Fundação Nacional do Índio (Funai), em Brasília (DF). O grupo avalia a postura do ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, que na manhã desta segunda-feira, 10, negou reunião com os indígenas. Ao invés do ministro, quem recebeu os indígenas foram soldados do Exército e assessores.

“Disseram que receberiam uma comissão de dez, mas nós não nos separamos. O governo não quer entender isso, respeitar nosso jeito. Sabem que não nos separamos. Por essa postura, o ministro descumpre os acordos e assim fica difícil conversar”, explica Jairo Saw, assessor do cacique-geral Munduruku. Para as lideranças, os assessores de Carvalho disseram que ele só poderia atendê-los até as 11h15.

Os indígenas, mesmo sem serem recebidos, protocolaram na SGPR o documento que entregariam ao ministro em mãos – leia a íntegra aqui. Na carta, os indígenas relatam ponto a ponto as áreas afetadas pelo projeto hidrelétrico nos rios Teles Pires e Tapajós – motivo pelo qual o grupo ocupou no mês de maio, por 17 dias em duas ocasiões, o principal canteiro das obras da UHE Belo Monte. Um dos locais atingidos é a Cachoeira Sete Quedas, sagrado para os Munduruku, Kayabi e Apiaká, que será inundada pela usina que está sendo construída no Teles Pires.

“A Cachoeira de Sete quedas (Paribixexe): É uma linda cachoeira contendo sete quedas em formato de escada. É o lugar onde os mortos estão vivendo, o céu dos mortos, ou seja, o mundo dos vivos, o reino dos mortos. É um local sagrado para os Munduruku, Kayabi e Apiakás, aonde também os peixes se procriam e diversas espécies e todos os tamanhos, onde existe a mãe dos peixes. Nas paredes constam as pinturas rupestres deixados pelo Muraycoko (pai da escrita), a escrita deixada para os Munduruku através das escritas surabudodot, por muito tempo remoto (sic)”, diz trecho da carta.

Para Valdenir Munduruku, o ministro Carvalho demonstra com as atitudes apresentadas a forma de diálogo que pretende manter: “Aqui, a casa deles, nos recebem com o Exército e a polícia e não nos deixam entrar. Em nossa casa, mandam o Exército e a polícia para poderem entrar. Isso não é diálogo. É como se nós fôssemos inimigos”. Josias Munduruku lembra que na reunião da última terça-feira, 4, o ministro disse que as hidrelétricas vão sair, pois se trata de uma decisão de governo: “Me pergunto: que consulta é essa que eles querem fazer? Não é consulta quando eles (governo) tomam uma decisão sem volta. O que poderá sair de consulta assim?”, questiona.

Por enquanto, não há previsão de retorno dos indígenas para o Pará, pois o governo federal ainda não definiu o transporte aéreo.

As informações são do CIMI

Comentários (1)

  • Luiz |

    12/06/2013

    Eu não estou entendendo. Não tem ninguém lá "dentro",deputado, senador, juiz, faxineiro, o raio que for pra representar este povo? Cade os sanguessugas da Funai? AVALIA a postura do governo. Eles são governo caramba. O índio é tratado de qualquer jeito mesmo. Humilhados. É isso o que fazem com eles:HUMILHAM, MATAM, e na hora de falar para o mundo se postam como defensores tanto dos índios como o respeito ao meio ambiente. SÍNICOS. CANALHAS.

    Responder

Faça seu comentário

Nome
*obrigatório
E-mail
*obrigatório
Website

Divulgue!