Análise munduruku da conjuntura na Amazônia: aonde nós mulheres vamos lutar?

Entre os dia 8 e 10 de maio, o Movimento Munduruku Ipereg Ayu e a Associação DA’UK, que têm como objetivo fortalecer a organização e a luta a favor da vida, dos rios e das florestas, realizaram, na aldeia Santa Cruz, o II encontro das mulheres Munduruku
Publicado em 22 de maio de 2017

Entre os dia 8 e 10 de maio, o Movimento Munduruku Ipereg Ayu e a  Associação DA’UK, que têm como objetivo fortalecer a organização e a luta a favor da vida, dos rios e das florestas, realizaram, na aldeia Santa Cruz, o II encontro das mulheres  Munduruku: Mulheres munduruku no território ontem, no território hoje, no território sempre: Construindo nosso Plano de Vida.

Durante o evento, houve momentos de análise da conjuntura dos povos indígenas no Brasil e na Amazônia, reflexões sobre as conquistas e dificuldades do Movimento Ipereg Ayu e da associação Da’uk, e debates sobre o Plano de vida Munduruku. Também foram debatidas as lutas pela homologação da Terra Indígena Sawre Muybu (Território Daje kapap’ap), um projeto de criação de uma Universidade Ibaorebu  Munduruku e as ações de luta pelos  locais e objetos sagrados do povo Munduruku.

No final do encontro, as mulheres elaboraram e divulgaram uma carta, onde avaliam a situação política do país e afirmam seu posicionamento. Leia abaixo

Análise munduruku da conjuntura na Amazônia: aonde nós mulheres vamos lutar?

Introdução

O Brasil foi construído com o sangue de muitos indígenas. Desde o começo só o que os pariwat viam era o que nós indígenas não tínhamos. Diziam que não tínhamos rei, verdade, mas temos nossas lideranças que nós escolhemos. Diziam que não tínhamos leis, verdade nossas leis são o respeito e o amor por nossa terra, ensinados por todos os nossos sábios. Diziam que não tínhamos fé, mais uma verdade dos pariwat, temos a presença viva de Karosakaibu em nossas terras, suas pegadas e tudo o que ele fez pelos munduruku estão contados nas corredeiras do Tapajós e nos campos da nossa mundurukania.

Hoje nós mulheres do povo wuyjugu vamos mostrar o que nós temos.

Temos um povo de luta, não vamos contar tudo pra não cansar os pariwat que vão ler o que nós estamos vendo. Na mundurukânia tem guerreiras e guerreiros que enfrentam os inimigos. Lutamos muito pra demarcação das terras Munduruku e Sai Cinza e quando esperávamos que a terra de Dajé Kapap Eipi seria demarcada um governo de pariwat, dizendo que nós não tínhamos nada quis construir uma barragem pra trazer energia pro Brasil.

Como sempre os pariwat dizem o que não temos, o que sabem sobre nós? Não sabem nada! E pra mostrar que não gostamos que digam o que somos. Nós decidimos ir em 2013 até Altamira em Belo Monte ocupar aquela obra cheia de doenças e que hoje até os pariwat que só dão valor ao dinheiro sabem que tudo ali foi construído com mentiras e isso adoece todo mundo.

Olhando do alto dos barrancos vimos a terra ser rasgada e pisada por máquinas e homens que não tinham rei só engenheiros, não tinham leis só a da Força Nacional e nem tinham fé só tinham dinheiro.

E havia um grande silêncio no Brasil, ninguém se importava com nossa mundurukânia por que a terra dos deuses do rio Xingu estava sendo destruída e muitos trabalhadores diziam que viriam pra cá pro nosso Tapajós.

Isso pareceu uma ameaça, mas não nos zangamos com trabalhadores, nos zangamos com presidentes, presidentas, ministros e ministras que com suas mãos doentes querem agarrar nossa floresta.

Os pariwat estão errados quando pensam que as florestas separam os indígenas, não importa pra nós a distância entre nós e nossos inimigos, nós levaremos a luta até eles. E no caminho vamos libertando as florestas e nos unindo com outros parentes. As ameaças hoje têm muitos nomes, reformas da previdência, PEC’s, corrupção e muito mais.

Um governo doente caiu, o governo do PT que sempre que veio até a Mundurukania veio armado. Destruiu a aldeia Teles Pires, quis forçar audiências na cidade com agente e protegeu pesquisadores no território de Daje Kapap Eipi, mas com tudo isso ele caiu e nós estamos aqui.

Um governo podre assumiu, governo do PMDB, do PSDB, do PSC todos podres todos com as mãos cheias de doenças pra querer tomar a Amazônia, vão cair na mesma sujeira que o outro governo deixou.

O que tem na Mundurukania hoje?

Sabemos que todos os anos do governo do PT foi preparando grandes obras pra plantar soja, mas quando plantam querem levar pra vender lá fora e por isso construíram um porto em Itaituba e agora querem uma ferrovia e continuam querendo barragem e depois vão querer mineração, mineração pra matar o rio, como aconteceu com o rio Watu dos nossos parentes Krenak.

As florestas que são a casa dos animais estão ameaçadas por que um ministro que planta soja e seus amigos, querem derrubar a mata pra plantar mais soja, fazer mais estradas e ficar rico. Estão inventando leis pra poder nos derrotar.

O governo não demarcou o território de Dajé Kapap eipi por que espera mudar as leis pra não precisar consultar nosso povo.

Quer entregar a saúde do povo pra gente que só pensa em ganhar dinheiro. E nem liga pra educação. Ainda bem que nossa educação é feita por nossos sábios.

Mas a Mundurukania tem a nós wuyjugu e tem Montanha e Mangabal e tem os Tupinambá, Cara Preta e tem pescador e mais ribeirinhos e muita gente, a mundurukânia é maior que Brasília.

Estamos olhando vocês não podem se esconder dos nossos olhos, neste território vocês não vão entrar. Sabemos que o governo doente quer voltar e o governo podre quer ficar, nenhum dos dois merece a confiança de nenhum povo.

Em toda parte que vamos tem as armadilhas do governo, nós mulheres sabemos que vai ter muita dificuldade mas nossa força é nosso Movimento.

Sawe!

Faça seu comentário

Nome
*obrigatório
E-mail
*obrigatório
Website

Divulgue!